Ir para conteúdo
  • SHOUTBOX GAMER'S BOARD ❤️

    Carregar mais
    Você não tem permissão para conversar :(

yurirp4

Membros
  • Total de itens

    1.028
  • Registro em

  • Última visita

  • GBCoins

    420 [ Doar ]

Sobre yurirp4

Meios de comunicação

  • Discord
    yurirp4#2236

Informações pessoais

  • Sexo
    Masculino

Últimos Visitantes

1.438 visualizações
  1. Olá eu comprei um processador `i9 9900k` e gostaria de saber se ela vai funcionar normalmente com minha placa mãe `h110m-h-cf` ou eu preciso comprar outra placa mãe? se sim qual? Obs: desculpem se criei o tópico na área errada não achei nenhuma área sobre computação ou a velha área off-topic
  2. yurirp4

    INATIVOS [Pedido] Assinatura

    Gostaria de uma assinatura tipo essa
  3. yurirp4

    gratuito yOlhoDeus [1.8.x]

    boaaaaaaaaa men plugin muito troppson parabéns
  4. Minha sugestão: Criar um Tópico informando os requisitos para cargos como "Membro vip, Membro ativo etc.." Porque nós devíamos adicionar ela: Por que muitos usuários tem o cargo membro vip por que antigamente ganharam com os requisitos já hoje em dias nós que queremos membro vip a unica forma é comprando com GBCoin e o cargo ainda é temporário por conta disso é muito injusto com todos da comunidade E Você o que acha ? Apoia? ou NãoApoia?
  5. "Alcolumbre prevê aprovar Previdência no Senado antes de julho se Câmara votar até abril" Presidente do Senado falou com jornalistas durante café da manhã nesta sexta-feira. 'Acho que a gente entra no recesso de julho com a reforma aprovada' O Senado deve ter uma Comissão Especial de Acompanhamento da reforma da Previdência. O presidente da Casa, Davi Alcolumbre disse hoje que os integrantes serão definidos pelos líderes dos partidos na próxima terça-feira. A expectativa dele é que o Senado aprove a reforma antes do recesso de julho, se a Câmara votar o texto até abril. “A gente vai fazer com que o relator dessa comissão seja um membro titular da CCJ [Comissão de Constituição e Justiça ]e que ele também possa ser relator da Reforma da Previdência quando ela chegar na nossa Casa”, afirmou o senador durante um café da manhã com jornalistas na residência oficial do Senado. A comissão especial terá como atribuição fazer sugestões e encaminhar recomendações para que a proposta chegue ao Senado com as principais polêmicas já pacificadas para que seja votado na Casa o mesmo texto vindo da Câmara. Caso os senadores modifiquem o mérito do texto da Câmara, a proposta precisará retornar para análise dos deputados e isso pode atrasar muito a conclusão da votação. Debate Há pontos, como o que trata do Benefício de Prestação Continuada, o BPC, que exigem discussão prolongada. Pela proposta do governo, a partir dos 60 anos, os idosos receberão R$ 400. A partir de 70 anos, o valor sobe para um salário mínimo. Alcolumbre disse ter conversado com o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, e informado sobre a dificuldade de tramitação ao mesmo tempo da proposta da Lei Anticrime e da reforma da Previdência no Congresso Nacional. “Eu disse para o próprio ministro que o sentimento do Senado é debruçar em relação ao tema Reforma da Previdência porque as duas coisas não conseguem andar juntas. Há disposição dos senadores debater a reforma da Previdência que é um assunto que está em voga hoje na sociedade brasileira”, disse. Articulação Alcolumbre ressaltou que serão necessárias articulações intensas para garantir a aprovação da proposta da Previdência. “Senadores e deputados querem votar a reforma, mas o governo tem que se articular politicamente, buscar as lideranças e os partidos para garantir os votos necessários. Como se quebrou um modelo de administração que se arrastava nos últimos anos, os parlamentares precisam sentir confiança para apoiar um texto que lhe dê tranquilidade de ajudar o Brasil, mas que ele tenha segurança na relação dele de parlamentar com o governo, no que diz respeito a apoio a esses parlamentares na atuação política.” Créditos : Skip
  6. Oito funcionários da Vale são presos em investigação sobre rompimento da barragem de Brumadinho Prefeito diz ter solicitado paralisação depois da tragédia de Brumadinho, enquanto a mineradora alega não ter sido "notificada oficialmente" A construção de uma barragem de rejeito da Vale tem desagradado a Prefeitura de Ouro Preto, que afirma ter pedido a interrupção da obra no município mineiro. O Estado apurou que a mineradora tem trabalhado diariamente na ampliação de uma estrutura conhecida como Barragem do Doutor, inclusive nas datas seguintes à tragédia no Córrego do Feijão, que rompeu em 25 de janeiro, em Brumadinho, resultando em uma das maiores catástrofes do setor mineral em todo o mundo, com ao menos 166 mortos e 155 desaparecidos. O prefeito de Ouro Preto, Julio Pimenta, afirmou à reportagem que pediu a paralisação de qualquer obra de ampliação de barragem na cidade. “A Prefeitura tem cobrado da Vale que nenhuma barragem mais seja alteada no nosso município”, declarou. Segundo ele, a solicitação foi feita “uma semana depois da tragédia em Brumadinho”. A Vale informou, por meio de nota, que “não foi notificada oficialmente sobre qualquer pedido de paralisação” e que a Barragem do Doutor, diferentemente de Brumadinho, “não é construída a montante”, ou seja, utiliza outro tipo de sustentação. Por isso, segue em operação regularmente. A estrutura de alteamento da barragem prossegue, conforme aumenta o acúmulo de rejeito na estrutura. Moradores da região confirmaram ao Estado que os trabalhos estão em andamento na barragem, usada para acumular o rejeito de ferro da mina de Timbopeba, na vila de Antônio Pereira. O local fica a apenas cinco quilômetros de distância da barragem do Fundão, que rompeu no desastre de Mariana, há pouco mais de três anos. A Barragem do Doutor utiliza o método de construção de alteamento a partir da “linha de centro”, uma alternativa considerada um pouco mais segura que o modelo das “barragens a montante”, usado no Córrego do Feijão, no qual a barragem é construída com o uso do próprio rejeito depositado, que passa por “alteamentos sucessivos” sobre o material que é depositado. Essas elevações de nível usam a parte mais grossa do rejeito para formar um “maciço”, que funciona como a parede da barragem. Em 29 de janeiro, quatro dias após a tragédia, o presidente da Vale, Fábio Schvarstman, anunciou que a mineradora irá desativar todas as barragens a montante que possui em Minas Gerais. “Nove das 19 já foram descomissionadas. Sobraram, no entanto, dez, que estavam em projeto de descomissionamento também”, afirmou. “A decisão da companhia foi que, depois que esse desastre aconteceu, não podemos mais conviver com esse tipo de barragem. Consequentemente, tomamos a decisão, que foi referendada pelo Conselho de Administração da companhia na data de hoje, de eliminar, acabar com todas as barragens a montante, descomissionando todas elas, com efeito imediato", acrescentou. Segundo a Vale, a decisão de desativar as unidades foi tomada em 2016, logo após o tragédia da Samarco, empresa da Vale com a BHP Billiton, em Mariana. Até o fim do ano passado, nove estruturas já teriam sido desativadas. As barragens a montante que serão desativadas pela Vale, segundo a mineradora, levarão à paralisação temporária de plantas localizadas em Ouro Preto, Congonhas, Itabirito, Nova Lima, Belo Vale e Brumadinho, todas em Minas Gerais. As unidades de operação são as de Abóboras, Vargem Grande, Capitão do Mato e Tamanduá, no complexo Vargem Grande; e as operações de Jangada, Fábrica, Segredo, João Pereira e Alto Bandeira, no complexo Paraopebas, incluindo ainda a paralisação das plantas de pelotização de Fábrica e Vargem Grande. “As operações nas unidades paralisadas serão retomadas à medida que forem concluídos os descomissionamentos”, declarou a empresa. Créditos : Skip
  7. O Presidente Jair Bolsonaro define a idade mínima para aposentadoria Reforma da Previdência terá idade mínima de 65-62 anos O secretário especial da Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, afirmou nesta quinta-feira que o presidente Jair Bolsonaro decidiu por uma idade mínima de 65 anos para homens e de 62 anos para mulheres na reforma da Previdência, patamares que serão atingidos após um período de transição de 12 anos. "O presidente bateu o martelo e pediu para que nós divulgássemos apenas algumas informações, mas o conteúdo do texto vai ficar para o dia 20", disse Marinho, ao sair de reunião com o presidente e os ministros Paulo Guedes , Onyx Lorenzoni , Carlos Alberto dos Santos Cruz. Marinho afirmou que o texto da proposta será assinado por Bolsonaro na próxima quarta-feira, 20 de fevereiro, data em que a reforma será apresentada ao Congresso. "O texto está pronto, já começa a circular nas instâncias internas do governo, para ser validado no que tange a sua constitucionalidade, sua adequação para que o presidente possa assinar", disse o secretário. Segundo Marinho, a equipe econômica defendeu idade de 65 anos iguais para os dois gêneros e uma transição de 10 anos, mas após uma negociação com o presidente o resultado ao qual se chegou foi 65 para homens 62 para mulheres, e uma transição de 12 anos. O secretário afirmou ainda que em 20 de fevereiro Bolsonaro fará um pronunciamento à nação explicando de que forma essa nova Previdência vai ser encaminhada ao Congresso para ser discutida pelos parlamentares. A proposta do ex-presidente Michel Temer, aprovada em Comissão Especial na Câmara dos Deputados, também estabelecia uma idade mínima de 65 anos para homens e de 62 anos para mulheres, mas num período de transição mais longo, de 20 anos. Hoje, trabalhadores podem se aposentar por duas modalidades voluntárias. No critério por idade, a regra é de 65 anos para homens e 60 anos para mulheres, com tempo mínimo de contribuição de 15 anos. Por tempo de contribuição, são necessários 35 anos para homens e 30 para mulheres, sem exigência de idade mínima. Marinho não deu mais detalhes sobre os acertos com Bolsonaro, tampouco esclareceu qual será a contribuição mínima que deverá ser cumprida pelos trabalhadores. Créditos : Skip
  8. O Presidente Jair Bolsonaro chega a Brasília após receber alta e deixar hospital Albert Einstein em São Paulo Presidente permaneceu 17 dias internado no hospital Albert Einstein. No final de janeiro, ele passou por cirurgia para retirar uma bolsa de colostomia. O presidente Jair Bolsonaro recebeu alta médica e deixou o hospital Albert Einstein nesta quarta-feira,Ele segue sob escolta policial até o aeroporto de Congonhas, em São Paulo, de onde irá para Brasília. Na capital federal, ele ficará alguns dias em sua residência, no Palácio da Alvorada para só depois voltar a despachar do Palácio do Planalto. De acordo com boletim médico do hospital, Bolsonaro recebeu alta de manhã “com o quadro pulmonar normalizado, sem dor, afebril, com função intestinal restabelecida e dieta leve por via oral”Segundo o porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros, não há compromissos agendados para hoje e Bolsonaro estava “animado e disposto”. No hospital, Bolsonaro era acompanhado da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, e o filho Carlos Bolsonaro. Pela manhã, ele se alimentou com pão francês, dois biscoitos de água e sal e fruta cozida. De acordo com o Planalto, o presidente está em boas condições de saúde e se sentindo “muito bem”. Bolsonaro completou 17 dias internado. Ele passou por uma cirurgia de reconstrução do trânsito intestinal, a terceira desde a facada recebida durante campanha eleitoral. Bolsonaro comentou a alta em suas redes sociais. "Foram 3 cirurgias e mais de 1 mês no hospital nestes últimos 5 passados. Finalmente deixamos em definitivo o risco de morte após a tentativa de assassinato de ex-integrante do PSOL. Só tenho a agradecer a Deus e a todos por finalmente poder voltar a trabalhar em plena normalidade", disse o Presidente da republica pelo twitter. Créditos : Skip
  9. Ricardo Boechat, jornalista, morre aos 66 anos em queda de helicóptero em São Paulo A aeronave fez um pouso de emergência e foi atingida por um caminhão no Rodoanel, na região norte da cidade de São Paulo O jornalista Ricardo Boechat morreu aos 66 anos em um acidente de helicóptero na tarde desta segunda-feira. A aeronave fez um pouso de emergência e foi atingida por um caminhão no Rodoanel, na região norte da cidade de São Paulo. Além dele, o piloto Ronaldo Quattrucci, que comandava o voo, também faleceu. Segundo o Corpo de Bombeiros, a aeronave teve problemas e precisou fazer um pouso forçado. Nesse momento, ela foi atingida por um caminhão que trafegava pela via, no sentido interior, próximo à praça do pedágio. O motorista do caminhão ficou ferido, mas não corre risco de vida. O capitão Paiva, da Polícia Militar de São Paulo, que coordena os trabalhos no local do acidente, informou que a explosão registrada em fotos e vídeos no local foi resultado de uma colisão posterior ao pouso. “O caminhão não teve tempo hábil de parar“, contou. O caso está sendo apurado pelo 46º Distrito Policial, que fica no bairro de Perus, e os corpos foram levados ao Núcleo de Antropologia do Instituto Médico Legal, no centro da cidade de São Paulo. De acordo com os bombeiros, os corpos das duas vítimas estavam dentro da aeronave quando o socorro chegou. Ao todo, 11 viaturas foram deslocadas para fazer o resgate. Por volta das 14h, a Band News informou no rádio que interromperia a programação. Os colegas de Boechat pediram desculpa aos ouvintes e disseram que não estavam em condições de continuar a transmissão. Na sequência, foi deixada apenas a vinheta no ar. Na TV Band, o apresentador José Luiz Datena foi quem informou a morte. “Com profundo pesar, desses quase 50 anos de jornalismo, cabe a mim informar a vocês que o jornalista, amigo, pai de família, companheiro, que, na última quarta que eu vim aqui apresentar o jornal, me deu um beijo no rosto, fingido que ia cochichar alguma coisa e, no fim, brincalhão como ele era, falou: ‘É, bocão, eu só queria te dar um beijo’. Queria informar aos senhores que o maior âncora da televisão brasileira, o Ricardo Boechat, morreu hoje num acidente de helicóptero, no Rodoanel, aqui em São Paulo”. Datena chorou ao vivo. Vida e Carreira Ricardo Boechat era apresentador do Jornal da Band e da Rádio BandNews FM, além de colunista da revista Isto É. Ele trabalhou nos jornais O Globo, O Dia, O Estado de São Paulo e Jornal do Brasil. Também foi eleito o jornalista mais admirado na pesquisa do site Jornalistas&Cia em 2014, que elencou os 100 principais profissionais do mercado. Filho de diplomata, Ricardo Boechat nasceu em 13 de julho de 1952, em Buenos Aires, na Argentina. O pai estava a serviço do Ministério das Relações Exteriores à época. O jornalista deixa a mulher, Veruska, e seis filhos. Créditos : Skip @OffTopic - Gostaria de deixar minhas condolências para os familiares e fãs do jornalista, hoje para todos que fazem matérias/noticias é um dia mais triste para todos nós
  10. passa seu discord jooowwww

×
Hospedagem de Minecraft Host de Minecraft Host de Minecraft BR Host de Minecraft EUA Servidor Cloud Servidor Cloud BR Servidor Cloud EUA